Ao pensar em negociações internacionais, uma situação que logo vem à tona é como resolver conflitos decorrentes de divergências entre empresas ou governos de diferentes países.

Embora se perceba que nesses casos o diálogo esteja praticamente ausente, é preciso pensar que a base de toda negociação é a comunicação, e este processo pode definir o seu sucesso ou o fracasso.

Expor as ideias de forma eficiente, levando em conta a cultura e valores da outra parte, é fundamental para que as o rumo da negociação seja o do êxito.

Como você pode perceber, nem sempre a comunicação entre as partes envolvidas em um negócio gera bons frutos, e é justamente nestes casos mais complicados e até hostis que entram em cena algumas alternativas de resolver impasses. Duas práticas recorrentes são a mediação e a arbitragem. Quer saber mais sobre essas formas de intervenção que tem como papel fazer com que todas as partes saiam satisfeitas de uma negociação? Acompanhe.

1) A mediação requer um terceiro participante neutro

A própria palavra mediação remete à metade, ou seja, as partes envolvidas em um conflito abrem mão de suas vontades e buscam uma forma de encontrar uma solução que beneficie ambos os interesses por meio de uma negociação, de preferência amigável, que envolva uma terceira parte. Este participante deve ser neutro, assim sendo, deve permanecer indiferente a qualquer tendência e colaborar no entendimento das partes.

O mediador não tem como manifestar-se favorável a qualquer uma dos participantes envolvidos no impasse e também não pode decidir a solução de forma alguma. A sua única função é fazer com que a negociação caminhe de forma racional, que os ânimos mantenham-se inalterados e que se possa chegar a um denominador comum de interesse para os envolvidos.

A mediação nas negociações entre empresas de diferentes países

Esta é uma técnica muito usada quando há situações de litígio entre organizações internacionais, principalmente porque se bem sucedida, ela afasta a possibilidade de se chegar ao embate judicial, o que desgasta as partes e ocasiona problemas maiores de relacionamento. A globalização intensifica ainda mais a sua adoção nas negociações internacionais.

banner-GTI-01

A primeira atitude do mediador é apresentar as bases que irão ditar a reunião, além disso, ele deverá atuar durante todo esse encontro como colaborador no desenvolvimento dos procedimentos de negociação, buscando que ambas as partes cheguem a um acordo e que este realmente seja considerado como solução, a ponto de ser cumprido à risca.

2) A arbitragem como forma alternativa de solucionar conflitos

Esta é outra modalidade de resolução de impasses utilizada também no âmbito internacional, com o objetivo de que as empresas e demais organizações possam finalizar uma negociação por meio de um participante que tem o direito de decidir qual a melhor saída para a problemática. Este participante chama-se árbitro, e é designado por meio de um acordo feito entre os envolvidos com o intuito de que ele seja capaz de conseguir a solução do problema.

Como você pode perceber, na arbitragem a terceira parte envolvida tem como dever chegar à solução de uma determinada situação, logo, ela deve anunciar a sua decisão aos envolvidos no conflito. Desta forma, a resolução tomada pelo árbitro é imposta aos interessados de forma que eles cumpram efetivamente a sua decisão.

Neste caso não há acordo, existe somente uma ordem que deverá ser cumprida.

Negociações internacionais utilizando a arbitragem diminuem o número de processos por vias judiciais

Dentro da economia internacional e dos diversos conflitos gerados entre organizações localizadas em países diferentes, a arbitragem surge como solução racional e sensata, e possui duas vertentes, a do direito internacional privado e a do internacional público.

Na primeira, estão incluídas as negociações comerciais entre os países, ou seja, estão salvaguardadas as negociações que devem ser feitas por meio de um árbitro que deliberará a melhor solução para um conflito entre empresas de diferentes países. Já no que se refere à vertente do direito internacional público, a arbitragem ocorre como mecanismo de busca de solução para o impasse entre dois Estados, e nele estão incluídas questões referentes a territórios ou política.

Ambas técnicas, medição e arbitragem, buscam auxiliar os participantes de um conflito visando a solução definitiva, evitando assim que o impasse continue e chegue à instancias judiciais.

Você gosta de política e negociações internacionais? Conheça o curso a distância em Comércio Exterior da Unisul e aprofunde-se nos temas.