Reter talentos sai mais barato para a empresa. O gestor tem um papel na retenção de colaboradores talentosos, porém como fazer isso de forma eficiente?

Processos gerenciais: oito atitudes para reter talentos

Em períodos de crise, é fundamental para qualquer empresa reter seus funcionários mais talentosos, pois, se a situação está difícil com eles, com certeza ficará pior sem eles. O gestor tem um papel crucial na retenção de colaboradores talentosos, porém como fazer isso de forma eficiente? Pensando nisso, preparamos dicas para ajudar a reter esses profissionais. Confira!

1. Não procure, seja procurado

Saiba que para ter funcionários excelentes, você não deveria buscar por eles. Se sua empresa tem as características que um colaborador talentoso almeja, naturalmente eles procurarão por você. Se isso ainda não ocorre, desvende quais fatores fazem com que talentos procurem determinadas empresas, e descubra o que essas organizações oferecem aos colaboradores.

2. Tenha uma estratégia de retenção de talentos

Sua companhia possui uma filosofia, ferramentas e estratégias para captação e retenção de talentos? Você tem um registro do porquê as pessoas querem trabalhar em sua organização e quais os motivos de pedirem demissão? Você capta essas informações, as opiniões e preocupações de seus funcionários por meio de reuniões individuais, pesquisas e reuniões em grupo? Apenas desse modo você conseguirá compreender a razão dos pedidos de demissão e passará a reter talentos.

3. Seja um gestor líder

O gestor precisa ser um líder, ou seja, precisa que as pessoas o sigam sem que sejam forçadas a isso. Para tanto, é necessário treinar a comunicação com os funcionários, exercer a empatia, trabalhar como um time e dispor de mais tempo liderando os funcionários do que exercendo trabalhos burocráticos.

4. Conquiste o comprometimento de seus colaboradores

A melhor abordagem para liderar bem é fazer a si mesmo as seguintes perguntas: como posso ajudar meus colaboradores? Como ajudá-los a serem mais produtivos para que eles evoluam profissionalmente? Como fazer com que eles valorizem o trabalho que eles executam? Como fazer com que eles amem o que fazem? Converse com eles para obter essas respostas, e trabalhe para obter esses resultados.

5. Crie oportunidades de crescimento

Verifique se é possível abrir novas posições em sua empresa. Ao abrir vagas novas, dê prioridade aos colaboradores que já trabalham na empresa.

6. Tenha canal aberto de comunicação

Estabeleça reuniões individuais regulares, a fim de detectar como seus funcionários estão sentindo-se em relação à organização. Ouça mais do que fale e deixe-os à vontade para fazer sugestões e fazer perguntas. Tenha uma política na qual os funcionários não temam ter uma conversa franca com você.

7. Conheça seus funcionários

Saiba quais são os objetivos de seus funcionários. Quais são as metas profissionais deles? De que forma você pode orientá-los ou mesmo auxiliá-los a atingir seus objetivos? Se possível, proporcione seminários, discussões de livros em grupo e desafios em equipe para estimulá-los a progredir cada vez mais. Esse tipo de atividade gera um espírito de grupo muito importante para reter talentos.

8. Trate seus funcionários com respeito

O ambiente empresarial muitas vezes conta mais que uma remuneração mais vantajosa. Cabe a você, enquanto gestor, tornar o ambiente profissional um local no qual o funcionário deseja estar e sentir-se à vontade. Como passamos boa parte de nossas vidas em nosso ambiente corporativo, é extremamente importante que esse lugar seja agradável e amistoso.

Enfim, incentivos, ambiente agradável, oportunidade de crescimento profissional e valorização profissional são itens primordiais para as empresas que desejam atrair e reter funcionários ímpares.

E você, como faz para manter a satisfação do seu público interno e reter talentos? Conte pra gente pelos comentários.

“Baixe


Com a certificação do Confea/Crea, os tecnólogos em Gestão Ambiental formados pela UnisulVirtual são reconhecidos para a titulação profissional no Brasil.

Sistema Confea/Crea certifica curso e tecnólogos em Gestão Ambiental

O curso em Gestão Ambiental é agora reconhecido pelo Conselho Federal de Engenharia e Agronomia. Essa conquista foi estabelecida na resolução 313 da entidade.

Além do título profissional ser reconhecido legalmente, o curso da UnisulVirtual também foi aprovado, e é o primeiro à distância a receber essa certificação do Confea/Crea no Brasil.

As portas estão abertas para os profissionais dessa área, que com a certificação poderão ser contratados como tecnólogos em gestão ambiental.

Essa certificação credencia os alunos e os ex-alunos de cursos tecnólogos em gestão ambiental a trabalharem como tecnólogos. É importante que o curso frequentado seja reconhecido pelo Conselho Federal de Educação, isso lhes garantirá atribuições do CREA em todos os estados do país. Profissionais certificados pelo Confea e pelo CREA possuem um maior reconhecimento no mercado e os cursos certificados por essas entidades possuem a carga horária necessária para a formação de profissionais aptos e responsáveis em suas áreas de trabalho.

O que faz um tecnólogo em Gestão Ambiental?

As atribuições dadas aos tecnólogos de Gestão Ambiental, segundo o CONFEA, são diversas. O profissional pode trabalhar na elaboração de orçamentos, padronização de processos e produtos. Pode também trabalhar com a mensuração e o controle de qualidade, condução de trabalho técnico na sua área de formação, condução de equipes de instalação, montagem operação, reparo ou manutenção. Além disso, atribui-se a esse profissional a operação, instalação e a manutenção de equipamentos ademais da execução de desenhos técnicos.

O que um curso precisa para ser aprovado?

Segundo o Ministério da Educação e Cultura, o curso superior em tecnologia de Gestão Ambiental deve preparar os alunos para atividades de planejamento, gerenciamento e execução de atividades de diagnóstico e avaliação ambiental. Além disso, disciplinas que envolvem a recuperação de áreas afetadas ou degradadas, de proteção ambiental e avaliação de impacto ambiental. O tecnólogo deve ainda ser capaz de implantar políticas e programas de educação e preservação ambiental.

A conquista do título profissional foi, portanto, uma grande vitória para os egressos do curso superior em Tecnologia da Gestão Ambiental. Essa carteira profissional abrirá mais portas para que esses profissionais atuem nas áreas que estudaram durante o curso.

Apenas cursos de qualidade e que cumprem os requerimentos do CONFEA/CREA são reconhecidos para a titulação profissional. A formação da Unisul cumpre com todos esses requisitos e, como vantagem, é mais curta que em outras instituições, podendo ser completada em um período de três anos, o que faz com que os alunos consigam ingressar em programas de especialização com mais rapidez e se tornem ainda mais preparados para o mercado de trabalho.

Você sempre quis trabalhar com questões ambientais e se identificou com o curso?

Leia mais sobre o Curso Superior de tecnologia em Gestão Ambiental no blog e entenda como se profissionalizar em pouco tempo em uma área nova e de extrema importância para o crescimento sustentável!

Comece a aprender antes mesmo do curso começar, com os e-books gratuitos sobre gestão Ambiental do blog Mercado em Foco!


Entre os benefícios da integração dos processos de negócio com a TI estão as informações geradas pelo Sistema de Informação Gerencial (SIG).

A integração dos processos de negócio com a tecnologia da informação

Nas últimas décadas, o ritmo acelerado das atividades e a complexidade das ações gerenciais têm intensificado o fluxo de informações nas empresas, gerando um enorme desafio no momento das tomadas de decisão.

A tecnologia da informação (TI) tornou-se um instrumento essencial para a integração, ao subsidiar os elementos básicos para a melhoria da competitividade e dar suporte ao processo decisório.

E caso os processos de negócio não sejam integrados a essa solução, a empresa se tornará mais suscetível à atuação dos concorrentes, já que a alocação de recursos e sua utilização não foram feitas de maneira adequada. E então, quer ver como ganhar vantagens competitivas a partir da integração dos processos de negócio com a TI?

Mas afinal, qual a importância da TI na integração dos processos de negócio?

A concorrência, que anos atrás era bastante limitada, passa a ser global, com as organizações utilizando tecnologias para integração dos processos de negócio e atender com eficiência e rapidez as demandas dos clientes. Nesse contexto, os empresários se veem obrigados a estar em constante aprimoramento para manter sua posição no mercado e, se possível, elevá-la, com o consequente reflexo no faturamento e na lucratividade. Contudo, nem sempre eles conseguem ver a competitividade como parte dos processos, e somente se dão conta disso quando empregam esforços para manter uma estrutura que não gera mais resultados positivos. Isso causa descontentamento e principalmente prejuízos financeiros que afetam diretamente o ambiente organizacional.

Diante desse contexto, torna-se necessária a adoção da tecnologia da informação para que haja um controle do fluxo de atividades básicas da empresa, bem como para a administração da continuidade das tarefas cotidianas, gestão das tomadas de decisão pelos gestores e realização do planejamento estratégico das próximas ações diante do ambiente externo. Além disso, as informações geradas pelo Sistema de Informação Gerencial (SIG) podem ajudar a empresa a desenvolver novos produtos a partir de necessidades do mercado, indicar investimentos viáveis, apontar o melhor caminho para a redução dos custos e até mesmo aumentar a sua participação em determinados nichos.

Que benefícios essa integração gera para o negócio?

Já é sabido que existem vários sistemas que são responsáveis pela integração dos processos de negócio em uma empresa, estando eles localizados em qualquer nível organizacional. O recomendável é que haja uma comunicação entre eles através de um sistema tecnológico. Essa integração é extremamente necessária, pois garante o funcionamento efetivo das atividades empresariais e possibilita a troca de informações completas e precisas entre os setores e colaboradores envolvidos na organização. Além disso, ela facilita o controle das atividades, minimiza a divergência de informações, aumenta a confiabilidade dos dados gerados em cada atividade realizada e integra todos os departamentos do negócio, de forma a agilizar os processos.

Como isso auxilia os gestores nos processos decisórios?

No ambiente organizacional, o gestor toma inúmeras decisões constantemente, cujas consequências variam de acordo com o impacto causado sobre seus objetivos. Porém, nem sempre o profissional está preparado para esse processo, e ele acaba tomando decisões que, ao invés de beneficiar a empresa, acabam a prejudicando. A TI, quando integrada aos processos de negócio, produz o conhecimento através da obtenção de informações, para que as atitudes tomadas pelos responsáveis sejam realmente fundamentadas e baseadas em dados que estejam voltados ao crescimento organizacional, propiciando uma maior probabilidade de acerto.

Você já integrou a tecnologia da informação aos seus processos organizacionais? Que benefícios ela gerou? Conte para a gente nos comentários!

Comece a aprender antes mesmo do curso começar, com os e-books gratuitos sobre gestão de TI do blog Mercado em Foco! São 4 títulos!


Os formados em processos gerenciais podem a utilização dos recursos na produção e identificar desperdícios de materiais, tempo e habilidades humanas.

Sete competências-chave dos formados em Processos Gerenciais

A necessidade das empresas em reduzir custos e aumentar a produção está fortemente ligada à mudança em seus processos organizacionais visando uma estrutura funcional com melhorias dos processos produtivos.

No mercado, é cada vez mais difícil encontrar profissionais com competências gerenciais desenvolvidas para esses fins, mas a boa notícia é que você pode ser esse profissional e se tornar o principal agente transformador da empresa.

Um curso de graduação EaD em Processos Gerenciais capacita o profissional para desenvolver e aplicar soluções corporativas, utilizando metodologias e ferramentas de gestão avançada. O profissional fica apto para identificar falhas e oportunidades, analisar os fatores e propor otimizações na estrutura e nos processos da empresa.

1) Dimensões organizacionais

O curso fornece uma melhor compreensão das dimensões organizacionais em um ambiente corporativo e entendimento para distinguir as competências essências (diferencial competitivo da empresa frente à concorrência), as competências funcionais (pontos fortes e fracos em cada departamento) e as competências individuais (reconhecimento das habilidades e qualificações de cada profissional dentro da empresa).

2) Estrutura organizacional

Com a graduação, os profissionais formados em processos gerenciais tem um completo entendimento sobre a divisão e organização das atividades, formando uma estrutura organizacional com amplo enfoque nas instalações, capital humano, jurisdições e finanças, podendo oferecer soluções inovadoras para os aspectos gerenciais e econômicos da empresa.

3) Mapeamento e análise de processos organizacionais

A qualificação para o mapeamento e análise dos processos organizacionais é outro diferencial na capacitação do aluno que cursa a graduação em Processos Gerenciais. Através desses conhecimentos, o profissional pode questionar a forma como os recursos disponíveis estão sendo utilizados para a produção e identificar desperdícios de materiais, tempo e habilidades humanas mal alocadas. O intuito é diminuir o tempo do ciclo de atividades, melhorar a qualidade dos produtos e serviços, utilizar somente os recursos realmente necessários e eliminar atividades que não geram valor.

4) Organização e análise da distribuição de trabalho

Os formados em Processos Gerenciais desenvolvem a capacidade de gerenciar o capital humano dentro da empresa, identificando os potenciais produtivos e realocando-os para realizarem as atividades de maior qualificação. Além disso, contribui para estimular um desenvolvimento de plano de carreira, motivando-os ainda mais para o trabalho.

5) Estudo e análise do arranjo físico

Nessa matéria, o aluno pode desenvolver habilidades que envolvem a análise do layout da empresa para apresentar soluções que visem o ajuste adequado de posições e localizações dos recursos, maquinários e mão de obra, a fim de proporcionar uma estrutura mais funcional e otimizada no ambiente destinado para a produção.

6) Layout e mapas de área de riscos

Na gestão empresarial, é muito importante que os administradores possam analisar o layout da empresa e ser capazes de identificar os pontos de riscos possíveis no ambiente corporativo. Com a graduação em Processos Gerenciais, o profissional pode mapear esses pontos e tomar decisões mais acertadas quanto à redução dos riscos, assumindo um papel preventivo e não reativo.

7) Manuais administrativos

Além de desenvolver competências na área gerencial, o graduado em processos gerenciais pode ajudar na implantação de melhorias no processo de comunicação da empresa, estabelecendo um sistema que permita eliminar as falhas e melhorar o processo comunicativo, além de gerar relatórios de acompanhamentos e métricas de resultados com alto poder de relevância informativa.

E você, ainda tem dúvida sobre as habilidades dos formados em Processos Gerenciais? A Unisul Virtual oferece o curso na modalidade EaD, na qual o aluno pode estudar quando e onde quiser.

Deixe um comentário e compartilhe a sua opinião com a gente!

Com o curso de graduação Ead em Processos Gerenciais você fica habilitado tanto para começar um novo negócio quanto para se candidatar a uma vaga em concursos públicos. Baixe o e-book gratuito para saber mais!


Para realizar medidas de prevenção, mitigação e remediação ambiental, os gestores trabalham com operações de monitoramento e identificação de zonas de riscos

Conheça as medidas de prevenção, mitigação e remediação ambiental

Hoje, no centro das discussões sobre políticas públicas internacionais, está o importante tema relacionado às alterações climáticas e seus previsíveis impactos sobre os recursos naturais do planeta.

Estas alterações põem não apenas em risco os ambientes com recursos naturais sensíveis, mas também os ecossistemas tão importantes para o planeta.

Com isso, ficamos mais expostos à eventual subida do nível do mar e suscetíveis a eventos extremos, recorrentes da degradação da saúde ambiental. Neste contexto de grande incerteza quanto às mudanças, surgem as estratégias para a proteção dos bens e pessoas e a sustentabilidade dos recursos naturais, que devem ser evidenciadas e discutidas pelos órgãos governamentais e empresas privadas. A seguir, conheça as medidas de prevenção, mitigaçãoremediação ambiental que devem integrar as políticas públicas e os planos de gestão ambiental.

As vulnerabilidades do meio ambiente

Os crescentes problemas relacionados aos impactos das alterações climáticas e da degradação dos recursos naturais estão afetando os ecossistemas e a biodiversidade em escala global, reduzindo de maneira rápida o número de espécies. Com a perda de biosfera, o planeta perde a estabilidade climática e os valores estéticos e paisagísticos dos recursos naturais, que hoje são transformados em valores materiais pelo consumo.

As medidas de proteção

1) Prevenção

No princípio da prevenção, os riscos de catástrofe devem ser considerados de forma antecipada, visando reduzir as suas consequências ou a eliminar as próprias causas. E para intensificar as medidas de proteção, os gestores ambientais, com operações de monitoramento e identificação de zonas de riscos, elaboram planos de ações necessários para antecipar e prevenir as situações que podem causar impactos negativos ao ambiental natural. Geralmente, estes planos contemplam:

  • A instalação de redes de esgoto e saneamento para a proteção das águas marinhas e territoriais;
  • Captação de lixos, resíduos e embalagens de pesticidas, que causam efeitos devastadores em todos os ambientes naturais;
  • Eliminação de depósitos, lixeiras, aterros de resíduos sólidos e esgotos a céu aberto;
  • Monitoramento do uso do solo e da exploração dos recursos naturais;
  • Controle da poluição atmosférica, através do combate às fontes de poluição que afetam a ecologia natural;
  • Conservação e valorização dos recursos e do patrimônio natural e paisagístico;
  • Promoção do desenvolvimento sustentável às atividades geradoras de riqueza e que contribuam para a valorização dos recursos naturais.

2) Mitigação

Os planos de mitigação visam reverter danos parciais e minimizar situações de risco e de impactos ambientais, através da intervenção em áreas vulneráveis e da implementação de programas operacionais que permitam, a curto prazo, mitigar situações críticas com base na definição de prioridades. Eles devem ser implantados com base numa gestão adaptativa, fundamentada em mecanismos que levem em conta a dinâmica de determinadas zonas naturais. Entre os principais planos de mitigação, estão:

  • Manter, em estado próximo do natural, a maior parte das zonas degradadas;
  • Condicionar as explorações agrícola e pecuária;
  • Impedir a ocupação com habitação nas áreas delimitadas de proteção;
  • Condicionar as instalações industriais;
  • Desviar vias e transferir construções em zonas de risco;
  • Limitar a construção de estradas marginais e a intensidade de tráfego;
  • Controlar a ocupação de terras e extrações.

3) Remediação

As medidas de remediação se baseiam no acompanhamento da evolução dos fenômenos ambientais, na avaliação de riscos e na predição de impactos, com o objetivo de defender e equilibrar a dinâmica dos habitats naturais. Entre os principais programas de remediação, podemos destacar:

  • Planos para evitar a continuação da degradação, proteger e melhorar o estado dos ecossistemas terrestres e aquáticos;
  • Assegurar a redução da poluição das águas subterrâneas e evitar o seu agravamento;
  • Promover a utilização sustentável de água, baseada numa proteção a longo prazo dos recursos hídricos disponíveis;
  • Assegurar o fornecimento em quantidade suficiente de água de origem superficial e subterrânea de boa qualidade, conforme necessário para uma utilização sustentável e equilibrada;
  • Promover a modernização de políticas públicas para melhorar a performance, que hoje são negativas em questões básicas de saneamento;
  • Destinar adequadamente efluentes domésticos e industriais, que podem gerar efeitos tóxicos nos ecossistemas aquáticos, originando problemas ecológicos graves;
  • Controlar as emissões atmosféricas, de modo a evitar o seu aquecimento;
  • Assegurar o cumprimento dos objetivos dos acordos internacionais pertinentes.

Em sua cidade, quais medidas de prevenção, mitigação e remediação estão sendo implantadas? Elas estão gerando resultados?

Se você se interessa pelo tema, o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental EaD da Unisul é uma excelente opção para ampliar a capacitação e enfrentar os impactos ambientais da atualidade.

Comece a aprender antes mesmo do curso começar, com os e-books gratuitos sobre gestão Ambiental do blog Mercado em Foco!