Você sabe o que são redes de empresas? Já parou para pensar nos benefícios que podem ser conseguidos ao optar por instituir parcerias e demais vínculos?

Hoje em dia, as organizações não podem atuar de forma isolada, isto porque o número de concorrentes cresceu, as relações entre as empresas foram modificadas e os objetivos estão cada dia mais abrangentes.

Como as organizações perceberam que ao longo dos anos a sobrevivência no mercado competitivo poderia ficar complicada caso mantivessem uma postura rígida, dificultando o contato com as demais organizações, viram nas parcerias uma aposta de futuro e um vislumbre de melhores resultados. Desta forma, surgem as redes de empresas, com uma visão mais econômica e ampla dos negócios.

1) Clusters ou redes regionais

Os clusters são empresas que estão concentradas na mesma região geográfica e atendem um mesmo ramo de negócio ou segmento, as organizações e as instituições permanecem conectadas. A principal função dos clusters é promover o desenvolvimento de uma determinada região, permitindo que os moradores locais tenham trabalho e propiciando a melhoria da questão econômica e social.

Para que a reunião de empresas em uma mesma região seja efetiva, é preciso que o cluster conte com algumas características: oferecer oportunidades para a realização de novos negócios para as empresas, ou seja, que a conexão entre as organizações ocasione chances de novas transações e contatos comerciais, e ter uma infra-estrutura adequada para a operacionalização e também para expandir os seus negócios na medida em que as oportunidades vão surgindo.

Além dessas duas características, é fundamental que a concentração de empresas para formar um cluster disponibilize uma melhora na imagem das empresas que o conformam. Outra questão que deve ser tida em conta é se essa união de empresas fornece um melhor relacionamento com instituições de ensino, organizações e com o governo.

banner-GTI-01

Todas estas considerações são imprescindíveis para o que cluster tenha sentido.

Influência dos clusters na competição

As influências dos clusters na forma como as empresas competem podem ser vistas desde três perspectivas: auxiliando a produtividade, permitindo estruturar empresas que visem a inovação e propiciando novos negócios que antes não podiam ser feitos ou não tinham sido cogitados.

No que se refere ao aumento de produtividade, os clusters permitem que as pessoas tenham mais acesso a informações relevantes, melhora as oportunidades de trabalho, visto que as empresas estão vinculadas, e eleva a motivação de cada funcionário. No que tange à inovação, as empresas que pertencem a um cluster ficam mais próxima dos seus parceiros e também dos fornecedores, sendo assim, a forma que elas percebem a necessidade de inovação fica mais latente.

Sobre a melhora dos negócios por meio do aumento de oportunidades, a formação dos clusters permitem novos negócios, já que, por haver uma boa concentração de empresas, o volume de clientes é maior, e assim, os riscos para o empreendedor são menores.

2) Consórcios

A formação de consórcios visa à realização de grandes negócios, principalmente aqueles relacionados à construção de obras de grande porte, e também permite a participação em licitações. Normalmente a união entre estas organizações possibilita que elas possam assumir compromissos, em termos de negócios, maiores do que poderiam executar de forma individual.

Os consórcios são contratos firmados entre as empresas, portanto, eles não possuem natureza jurídica. Neste tipo de rede de empresas, geralmente é escolhida uma para ser a líder, esta ocasionalmente é a que possui mais domínio de mercado. Como as empresas estão unidas por um contrato, o relacionamento entre elas deve seguir as cláusulas e ressalvas estipuladas no documento. Ao assinarem, todas as participantes devem estar cientes das suas respectivas imagens e da idoneidade, visto que se uma empresa é mal vista, esta imagem negativa repercutirá no consorcio inteiro.

Uma das principais questões que devem ser observadas pelos participantes de um consórcio é que a programação das vendas, de compras e do volume de cada uma destas operações deve ser calculada de forma independente pelas empresas. Mesmo com este tipo de liberdade, caso uma decida fazer negócios de forma individual com um cliente, ela deve informar aos membros restantes do consórcio sobre essa negociação. Esta atitude evita desconfianças e atritos entre as organizações.

E você, conhece exemplos de clusters e consórcios? Gostou do post ou ficou com alguma dúvida? Escreva pra gente pelos comentários.