Muitas empresas, pensando em reduzir seus custos, cogitam a importação e revenda de produtos como alternativa. Porém, para quem nunca esteve em contato e não conhece o processo, muitas dúvidas podem surgir sobre como proceder, iniciar, se vale realmente a pena, qual seriam os impactos e os pontos positivos e negativos oriundos da compra de bens de outros países.

E é necessário que tudo isso seja levado em conta, e após realizada análise minuciosa da questão, tomada a decisão final.

No que consiste o processo de importação?

Trata-se de um processo burocrático que envolve desde a negociação do produto com o país de origem, a definição dos termos de contrato, incluindo preços, quantidade comprada, condições de pagamento e frete. Após, é preciso que se contate um agente de frete para realizar o transporte da mercadoria, com o qual será firmado outro contrato de prestação de serviço. Chegada a carga no porto de destino, deve-se buscar um despachante para realizar a nacionalização da mercadoria que está entrando no país. Este último processo requer documentação completa e pode acarretar em vistorias físicas e documentais, então é de extrema importância que esteja tudo dentro das normas e padrões exigidos.

Nesta lógica, é essencial estar ciente e de acordo com a legislação nacional para a importação e revenda de produtos. Nela consistem taxas, impostos, multas, benefícios e isenções. Caso a carga não esteja procedendo com o requerido, pode acarretar em penalidades altíssimas, e até mesmo na devolução da mercadoria. A carga tributária sobre os produtos é mais um fator que deve ser analisado, e ela varia de acordo com o tipo de bem importado.

Vantagens e desvantagens

Alguns países apresentam vantagem com relação aos preços ofertados. Vários produtos, principalmente manufaturas, costumam ter valor consideravelmente mais baixos que os nacionais, e por fim, acaba sendo mais benéfico a revenda do que a produção local, pois se reduz o valor dispendido em máquinas e sua manutenção, energia elétrica, funcionários, matéria prima. Estima-se que, em média, a compra de mercadorias de outros países confere uma economia de 70% ao importador. Os principais mercados que oferecem baixos preços de manufaturados são China, Vietnã, Estados Unidos. Máquinas podem ser importadas com qualidade e bom custo geralmente de países europeus, e insumos básicos em países menores como Índia, Uruguai, Egito.

banner-GTI-01

Porém é preciso considerar os gastos e desvantagens do processo. O principal empecilho consiste na demora da chegada do produto. Países como China, Vitnã, Índia, onde o transporte da mercadoria é feito via marítima, o tempo estimado de demora na entrega é de 60 dias. Este aspecto pode ser contornado com um bom planejamento de compra e venda. É preciso programar o volume comprado contando que ele só poderá ser vendido 60 dias após embarcada a mercadoria.

Cuidado!

E o mais importante, certifique-se de que o fornecedor com o qual está negociando na importação e revenda de produtos é de confiança, e seu produto de qualidade. Para fiscalização da produção, organização documental e inspeção da mercadoria pré-embarque existem empresas especializadas, as traidings.

Importar não é tão simples como parece, porém a diminuição dos custos e aumento dos rendimentos são atrativos às empresas, principalmente de médio e grande porte. Portanto, se quiser começar, procure informações e serviços terceirizados que prestarão auxílio no start up deste processo.

Agora você já tem uma noção do que consiste o processo de importação? Possui mais dicas para auxiliar aqueles que pretendem implementá-lo? Comente aqui!