Entenda quais são as principais diferenças entre banco de dados relacional e não relacional.

Com o aumento da produção de dados, também é cada vez maior a responsabilidade dos especialistas em Big Data. Para que possam desempenhar suas funções com eficiência, esses profissionais precisam conhecer as diferenças entre banco de dados relacional e não relacional.

A escolha do banco de dados é fundamental para empresas que trabalham com informações em grande escala. E, muitas vezes, as primeiras opções são as bases de dados relacionais, que são as mais conhecidas entre desenvolvedores de todo o mundo. Porém, elas nem sempre são as soluções mais indicadas.

Entenda, nesse post, as principais características de banco de dados relacional e não relacional para fazer a melhor escolha!

Banco de dados relacional e não relacional: qual é a diferença entre eles?

A principal diferença entre banco de dados relacional e não relacional tem a ver com o modo como as informações são inseridas e organizadas.

O banco de dados relacional oferece maior consistência e confiabilidade, mas exige o relacionamento entre várias tabelas para o acesso à informação.

Já o não relacional tem como vantagem uma escalabilidade maior, com a informação agrupada e armazenada no mesmo registro.

Veja a seguir as principais características do banco de dados relacional e não relacional:

Banco de dados não relacional

Um banco de dados não relacional tem como diferencial a oferta de melhor performance e alta escalabilidade. Garante um gerenciamento mais eficiente, com linguagem NoSQL.

Não exige a elaboração de um esquema antes de sua implementação, pois todas as informações ficam agrupadas em um único registro. Por isso, é necessário fazer cada um deles de modo que o banco consiga entender.

Modelo Dimensional

Com foco no cruzamento de variáveis, a modelagem dimensional permite infinitas combinações analíticas das informações armazenadas em um banco de dados não relacional.

Bases NoSQL

A linguagem NoSQL teve origem em 1998 por meio de uma solução que não contava com SQL.

Mais tarde, passou a significar uma abreviação de Not Only SQL (“não apenas SQL”, em tradução livre). Uma alternativa ao modelo relacional.

Formulação de consultas para responder a questões estratégicas

Cada tipo de banco de dados NoSQL tem seu próprio esquema para a formulação de consultas. Na categoria chave-valor, que é a mais simples, ela pode ser realizada por meio de uma chave.

Para fazer a pesquisa, basta buscar a hash da chave para acessar as informações desejadas.

Banco de dados relacional

É a forma de armazenamento de dados mais popular no mercado. Criado em 1970 por Edgar Frank Codd, o modelo relacional é o sucessor dos modelos hierárquico e em rede.

O banco de dados relacional utiliza tabelas para a sua organização. Com a ajuda da linguagem SQL, as informações são guardadas nas linhas e nas colunas. Porém, para que seja possível inserir coisas nas tabelas, é preciso projetar cada estrutura.

Definição das regras de acesso

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados (SGBD) relacionais oferecem maior consistência para a operação. Têm funções como validação, verificação e garantias de integridade, controle de concorrência e recuperação de falhas, além de gerenciamento de transações e otimização de consultas.

Criação da base de dados via SQL

A linguagem SQL não se restringe apenas à criação das tabelas, mas também à manipulação e à consulta das informações armazenadas. É por meio dela que os programas conseguem interagir com um banco de dados relacional.

Carga do modelo de dados

Quando as informações são transformadas e manipuladas, podem ser carregadas para dentro do banco de dados relacional.

O processo é feito pela carga de dados e permite a integração de bancos relacionais distintos.

Formulação de consultas SQL para responder a perguntas específicas

Com o uso de comandos básicos, como SELECT e FROM, as organizações conseguem fazer perguntas específicas para localizar informações em colunas e acessar as tabelas em que elas estão armazenadas.

Também podem especificar campos e tabelas que devem fazer parte da consulta, além de outros filtros.

Tem interesse em ir além no conhecimento sobre banco de dados relacional e não relacional? Então, vale a pena conhecer a nossa especialização!