Inovar é preciso! Conheça a tríade que compõe o processo de inovação no design de produtos digitais e as técnicas que auxiliam na geração de ideias.

As transformações acontecem o tempo todo no mundo inteiro. Com isso, as empresas devem estar atentas e criar processos que tenham como foco a inovação no design de produtos digitais.

Cada vez mais ouvimos falar em inovação, criatividade e design. Esses três conceitos são fundamentais para o sucesso de qualquer produto digital. Mas você sabe o significado de cada um deles?

Continue lendo esse post e descubra!

Inovação, criatividade e design: qual a diferença?

Os termos “inovação”, “criatividade” e “design” são frequentemente usados na área de tecnologia e muita gente confunde seus significados. Embora complementares, eles não são sinônimos.

Podemos encontrar na internet diferentes conceitos sobre cada uma dessas palavras. Mas uma das melhores definições está no artigo Criatividade, Design e Inovação, escrito pela superintendente do Itaú Unibanco, Ellen Kiss:

  • Inovação: exploração bem-sucedida de novas ideias. Processo que conduz a geração de novos produtos, serviços, formas de gerenciamento ou até de se fazer negócio;
  • Criatividade: geração de novas ideias, formas de olhar os fatos ou mesmo a identificação de oportunidades. Algumas vezes, por meio da exploração de tecnologias; outras, por mudanças sociais ocorridas no mercado;
  • Design: integra criatividade e inovação. É a disciplina que transforma ideias em tangíveis práticos e atrativos para usuários e consumidores. Pode ser definida como a criatividade aplicada com foco em uma determinada intenção.

Técnicas para a geração de ideias no processo de inovação no design de produtos digitais

Para que a inovação no design de produtos digitais tenha sucesso, é necessário um grande fluxo de ideias criativas e inovadoras. Esse é um dos grandes desafios dos especialistas da área de Sistemas para a Internet.

Para ajudar o designer a gerar essas ideias, existem algumas técnicas de estímulos psicológicos e orientação de raciocínio que vão além do conhecido brainstorm.

Vamos conhecê-las?

Os Seis Chapéus do Pensamento

Criado pelo escritor maltês Edward de Bono, esse método considera todos os pontos de vista importantes na criação de um projeto.

Cada um dos chapéus representa uma forma diferente de pensamento. Ao utilizar um deles, você deve fazer uma análise do problema sob uma perspectiva definida.

O Método dos Seis Chapéus é interessante porque é capaz de organizar ideias e lidar com perfis diferentes de pessoas.

Brainwriting (6-3-5)

Esse método foi desenvolvido pelo profissional de marketing alemão Bernd Rohrbach na década de 1960.

Os números 6-3-5 fazem referência às regras que essa técnica para a geração de ideias exige:

  • 6 pessoas e 6 rodadas de ideias;
  • 3 ideias por pessoa a cada rodada;
  • 5 minutos definidos como tempo de cada rodada.

Para aplicar esse método, é necessário que todos os membros da equipe tenham o mesmo nível de conhecimento sobre a questão.

A vantagem dessa técnica para a geração de ideias é a sua eficiência. Durante o processo, não existe comunicação verbal e tudo é documentado, o que traz equilíbrio para o sistema.

Método 5W + 1H

Esse método é bastante simples e versátil. Conhecido como técnica das perguntas, é muito utilizado na investigação cientifica e na criação de narrativas: são os 5W e 1H que representam as iniciais das questões que serão feitas na etapa de geração de ideias: Who? (Quem?), What? (O quê?), Where? (Onde?), When? (Quando?), Why? (Por quê?) e How? (Como?).

A técnica das perguntas é ideal para dar a base necessária para a realização de um projeto, estruturando as ideias de maneira adequada.

A transformação dos produtos na era digital

Que a internet mudou o mundo, todos já sabem. Mas a revolução não aconteceu apenas no modo de se comunicar e aprender: ela também trouxe oportunidades na criação e comercialização de produtos.

Cada vez mais as empresas aderem às mudanças digitais. Todos os dias surgem cases de transformação digital que são copiados ou inovados pelos concorrentes.

Um case que fez sucesso há quase dois anos nos Estados Unidos e está em implementação no Brasil é o da rede de fast-food McDonald’s. A marca instalou painéis de autoatendimento nos quais o cliente pode fazer o seu pedido e realizar o pagamento. A ideia é tornar a experiência mais agradável, ágil e colaborativa para ele. Interessante, não é mesmo?

O mercado de produtos digitais está em constante crescimento, principalmente por causa da facilidade de acesso a smartphones e tablets. Por isso, a procura por especialistas na criação de infoprodutos cresce vertiginosamente.

Se você procura uma vaga em empresas de tecnologia ou tem o espírito empreendedor, é possível fazer um curso a distância e criar um software ou aplicativo, por exemplo, que facilite a vida do usuário e se torne referência como inovação no design de produtos digitais.

Que tal se aprofundar nesse assunto? Aproveite e baixe grátis o nosso e-book Projetos com foco em inovação: como desenvolver as competências necessárias.