Descubra quais os principais crimes digitais no cotidiano das empresas e como evitá-los. Confira, também, práticas de prevenção e verificação.

Atualmente, grande parte da população passa o dia inteiro conectada à internet. Essa prática oferece muitas vantagens, como o acesso a informações e serviços.

Porém, a grande quantidade de dados que circula diariamente gera oportunidades para que pessoas se aproveitem de falhas, tanto de sistemas quanto de usuários, para obter vantagens indevidas.

No meio empresarial, os crimes digitais oferecem ainda mais riscos, já que as organizações precisam garantir que seus dados internos e as informações dos usuários que fizeram compras ou cadastros continuem seguros.

Os crimes digitais mais comuns

Existe uma gama enorme de crimes digitais. No entanto, um dos que mais preocupa as empresas é o furto de dados.

Essa prática pode ser realizada dos dois lados da transação: tanto do usuário, que foi enganado e forneceu informações a um site fraudulento, quanto da empresa, que teve seu banco de dados invadido e roubado.

Para que as empresas evitem esse tipo de furto, é importante manter os protocolos de segurança em dia, respeitando a hierarquia dos funcionários e tendo em mente quais deles têm acesso aos dados.

Outra prática que assombra os profissionais de Cyber Security é a clonagem de sites. Nessa modalidade, o criminoso cria uma página falsa idêntica à original, geralmente oferecendo vantagens que fazem o conteúdo ser ainda mais atrativo. Então, o usuário, sem saber do golpe, faz uma compra e, ao invés de receber seu produto, acaba tendo seus dados roubados, incluindo informações pessoais e número do cartão de crédito.

Apesar da empresa não ter responsabilidade direta por essa prática, é importante pesquisar e, principalmente, ouvir o feedback dos usuários caso algo nesse sentido aconteça, evitando, assim, que outras pessoas sejam enganadas.

Boas práticas para evitá-los nas empresas

O usuário precisa ter cuidados para evitar os crimes digitais, mas as empresas também devem redobrar seus esforços, afinal, uma pequena quebra de protocolo de segurança pode representar um grande prejuízo ou o furto de dados de milhares de pessoas.

Algumas práticas podem ser adotadas para verificar a integridade do sistema de dados e evitar até mesmo que os recursos da empresa sejam utilizados de forma inapropriada.

O profissional de Cyber Security precisa conhecer as vulnerabilidades já apresentadas pelo sistema e planejar patches e correções para evitar que elas voltem a surgir ou que se tornem falhas ainda mais graves. Um escaneamento o ajudará a identificar as principais falhas e, a partir daí, definir estratégias para corrigir e evitar brechas de segurança.

Também é importante monitorar o tráfego de dados na rede interna da empresa, evitando que usuários façam o download de conteúdos que, além de representarem uma ameaça por conter vírus e outros malwares, têm o potencial de serem impróprios ou ilegais.

O monitoramento ainda é essencial para verificar se os usuários acessam apenas os conteúdos que lhes cabem, evitando que pessoal não autorizado consulte informações confidenciais.

É necessário garantir que os protocolos de segurança sejam implementados, tanto pelos usuários quanto por empresas terceirizadas que eventualmente precisam fazer manutenções e outras verificações no sistema.

Por fim, é essencial que o profissional de Cyber Security esteja sempre atualizado, conhecendo as principais práticas adotadas pelos criminosos virtuais, como combatê-las e, também, como proceder caso a empresa seja vítima de uma delas.

Quer atuar na área segurança de dados de empresas públicas e privadas ou até mesmo como consultor freelancer? Conheça os cursos de especialização oferecidos pela Unisul: Gestão de Segurança da Informação; Inteligência de Segurança e Crimes Cibernéticos.