Veja quais são as etapas desse importante programa de segurança do trabalho para a indústria da construção.

Entre os programas de segurança do trabalho se destaca o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria de Construção (PCMAT), que precisa ser de conhecimento dos engenheiros responsáveis por essa área em empresas ou campos de obras.

O PCMAT é regulamentado pela NR 18, por meio da Portaria 3.214 de 1978. Ele estabelece procedimentos administrativos que envolvem o planejamento e a organização de medidas protetivas de segurança em indústrias de construção, no que se refere ao ambiente de trabalho.

O programa, portanto, visa criar estratégias que evitem danos aos colaboradores e é obrigatório a todas as empresas de construção civil ou de obras que tenham 20 colaboradores ou mais.

A seguir, veja os principais componentes necessários para desenvolver um PCMAT completo.

Principais componentes de um PCMAT na segurança do trabalho na indústria de construção

Antes de falarmos sobre os componentes de um PCMAT, é importante salientar que, de acordo com a legislação vigente, apenas um profissional legalmente habilitado em segurança do trabalho pode elaborá-lo.

Também é preciso ter em mente que PCMAT não é a mesma coisa que o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA).

O PCMAT é muito mais amplo e completo que o PPRA.

Além disso, o PPRA é exigido para todas empresas, enquanto o PCMAT é cobrado apenas daquelas que têm mais de 20 pessoas em seu time de profissionais.

Tendo registrados esses conhecimentos, listaremos agora os principais componentes de um PCMAT na segurança do trabalho na indústria de construção.

Análise de projetos

Essa etapa do PCMAT deve verificar todos os projetos que são utilizados em uma construção. A ideia é que se possa conhecer todos os métodos construtivos e equipamentos, bem como as instalações que farão parte da obra durante o seu período de execução.

Vistoria do local

A vistoria deve ser feita pelo engenheiro em todos os ambientes de trabalho da construção. Ele deverá avaliar as condições encontradas, bem como os tipos de trabalho que serão realizados, como escavações ou demolições.

Desse modo, nas etapas seguintes, serão propostos esquemas de segurança indicados para cada tipo de trabalho que será executado no campo de obras.

Reconhecimento e avaliação dos riscos

Nessa etapa, após o engenheiro ter analisado os projetos e feito uma vistoria do local, deve fazer um diagnóstico dos riscos encontrados.

A avaliação é feita de maneira qualitativa e quantitativa, para que a adoção das medidas de controle ocorra da melhor forma possível.

Elaboração do documento base

Finalmente, é elaborado o documento PCMAT propriamente dito. Nele, deve constar uma espécie de relatório com todas as etapas cumpridas anteriormente.

Devem ser escritas e demonstradas quais serão as táticas e técnicas aplicadas nos campos de obras para eliminar e controlar riscos, evitando, assim, os acidentes de trabalho.

Implantação do programa

A última etapa tem o objetivo de colocar em prática aquilo que foi escrito anteriormente. É preciso, portanto, divulgar o programa para mestres de obras e colaboradores, para que tudo seja seguido conforme o planejado.

De nada adianta fazer um programa apenas para cumprir a legislação: ele precisa ser efetivo e colocado em prática. Por isso, a divulgação e a supervisão também são atividades competentes do engenheiro do trabalho.

Conforme já destacamos, apenas um profissional especializado em segurança do trabalho na indústria da construção pode desenvolver o PCMAT. Por isso, convém fazer cursos que garantam esses conhecimentos antes de realizar esse serviço.

A especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho da Unisul oferece um módulo chamado de Segurança do Trabalho na Indústria da Construção, que gera uma certificação exclusiva.

Para saber mais sobre o curso, o quadro de docentes, as disciplinas ofertas e o investimento necessário, acesse o nosso site. Lá, você poderá encontrar todas essas informações e tirar outras dúvidas que porventura tiver!