É sempre bom usarmos estratégias para melhorar nosso desempenho de aprendizado, especialmente em relação aos estudos e à memorização. Mas algumas técnicas de estudo bastante conhecidas (e praticadas) pelos brasileiros não têm uma eficácia muito boa, de acordo com pesquisadores americanos que publicaram um estudo na revista Psychological Science in the Public Interest.

O tão famoso grifo com caneta colorida, por exemplo, não é nada útil para a memorização, uma vez que não requer esforço quase algum para o cérebro. Outra técnica pouco produtiva é a releitura pura e simples. A não ser logo após a primeira leitura, uma releitura não tem eficácia comprovada.

A grande sacada é personalizar as suas técnicas de estudo, seja em formato, em tempo ou em locais. O importante é ter dedicação e entender que se não houver um esforço desde o início será muito difícil recuperar o tempo perdido depois.

7 técnicas de estudo que farão a diferença na hora da prova

1. Fragmente seu estudo

Essa é uma técnica muito utilizada nas escolas e deve ser replicada em casa também. A ideia é fragmentar as matérias de estudo ao longo do dia para maximizar o aprendizado e a concentração. Isso acontece porque ao dar uma pausa em um conteúdo o cérebro começa a internalizá-lo. E ao voltar a estudá-lo você acessa uma parte diferente do seu cérebro e percebe quais conteúdos realmente foram aprendidos.
Esse método tem ainda mais validade se for feito em disciplinas que envolvam ciências exatas.

2. Faça anotações durante as aulas e estudos

Ao ouvir um professor falar ou ao ler um livro-texto é interessante fazer anotações. Isso obriga que você esteja concentrado ao longo de toda a explicação e ainda utilize capacidades de síntese para resumir os conteúdos que achar mais relevante. Mas a dica essencial é não se prender apenas aos resumos do conteúdo, mas também a análises e considerações sobre o que foi dito.

3. Exercícios, exercícios, exercícios

O teste prático é uma das técnicas de estudo mais eficazes, segundo os cientistas norte-americanos. Cerca de duas vezes mais eficiente do que as demais.

Esse método garante que o aluno não só reforce os conteúdos que está estudando, como também, saiba quais precisam de mais atenção. Tudo isso aumenta a confiança no momento do vestibular.

4. Entenda seu estilo de aprendizagem e tire vantagem dele

Em geral, as pessoas podem ter quatro estilos de aprendizagem diferentes: visual, auditivo, escrito e cinestésico. Cada um desses estilos mostra de qual jeito uma determinada pessoa tem mais facilidade de aprender conteúdos e memorizá-los. Saber qual é o seu auxilia que você personalize as suas técnicas de estudo e, assim, tire o máximo de vantagem de suas habilidades.

5. Faça pausas

Estudos mostram que a nossa capacidade de atenção só é realmente grande até seis horas diárias na mesma atividade. Por isso, os tempos de estudo não devem ultrapassar este tempo, uma vez que irão causar mais fadiga do que necessariamente melhorar o aprendizado. Mas também é interessante lembrar que a cada período entre 50 e 80 minutos é bom fazer um pequena pausa de 10 a 15 minutos para se alimentar e “arejar o cérebro”.

6. Explique os conteúdos estudados para você

E em voz alta! Para explicar os conteúdos que foram aprendidos, você terá de ler com atenção o conteúdo e criar uma linha de raciocínio o que faz com que as ideias saiam da área de decoreba e se tornem conhecimentos adquiridos.

Se você quiser, pode até gravar essa pequena aula e ouvir em outros momentos, por exemplo, quando lava a louça ou pega ônibus até o colégio.

7. Estude em grupo

Em alguns casos, estudar em grupo se mostra uma solução interessante por dois motivos: evita que você perca o foco e estimula a troca de explicações e debates entre os estudantes. Algumas pesquisas, inclusive, mostram que isso pode agregar 30% a mais à sua hora de estudo.